segunda-feira, 21 de Abril de 2014

Road trip e uns salmonetes

 photo 001_zpsd5d7d6eb.jpg  photo 002_zps8801ce50.jpg  photo 003_zps4a3ce81f.jpg

No meio das bancas do peixe, de repente, lembrei-me desta viagem.
E ao olhar para as fotografias, parecem vir de tão longe... a bem da verdade vêm mesmo. Outras aventuras a dar o mote à vida, outra máquina e, principalmente, outras ideias, fazem com que 2010 vá tão lá para trás no tempo.
Permanece este entusiasmo, sempre, de conhecer e recordar outras paragens. Viagens que vamos coleccionado vida fora, às vezes aqui tão perto, e tão boas.

Gostamos de sair fora de época e os primeiros dias daquele Março foram guardados para uma road trip pelas Astúrias e País Basco. Ao sabor do mapa, saltitámos por Cudillero, Santillana del Mar, Bilbau, Bermeo, Zarautz , San Sebastian...
   photo 005_zpsa8d54c7b.jpg  photo 006_zps6aea037f.jpg  photo 007_zps6fca83f8.jpg

Tenho recordações meio nubladas da viagem (pois, deve ser do tempo que apanhámos...), são mais uns pisca-piscas avivados pelo que me trazem as fotografias. 

As estradinhas a serpentear a costa. O verde, mesmo verde. As pequenas povoações pesqueiras nas encostas a cair para o mar. O museu, claro. E a chuva que nos fez companhia – houve algum desânimo mais para o fim por causa dela.

Se ficaram com vontade de explorar a costa Norte de Espanha, deixo-vos também como sugestão o blogue da Kerry Murray, uma fotógrafa que adoro, e que vai mostrando paisagens fabulosas das viagens que faz. Tem vários posts sobre esta zona, com imagens lindas, lindas. Podem ver aqui.


Como não poderia deixar de ser, as memórias também se fazem de algumas refeições mais marcantes. Entre uma favada asturiana e a frescura do peixe basco, esta coisa da memória selectiva pode ser tramada, mas nos sabores não falha!
   photo 008_zps8ff5177c.jpg  photo 010_zpse763df81.jpg  photo 009_zps6ee0884d.jpg  photo 011_zpsf0e043fa.jpg

Foi há uns meses, aqui no mercado do bairro, que quando olhei para uns salmonetes e eles olharam para mim, me lembrei do País Basco e do que por lá comi. 
E lembrei-me também do livro do Martín Berasategui que trouxe comigo - cozinha basca em versão familiar, pelas mãos do mestre – onde sabia haver marcada uma receita de salmonetes. 

Bem, a coisa acabou por não se fazer por aí, porque não estava muito para frituras, mas continua assinalada para experimentar noutro dia de salmonetes risonhos. 

Saíram então em versão mais leve, como nunca cansa cá em casa, e tão bem sabe agora em semana pós-mesa-de-páscoa: peixe ao sal e qualquer coisa com pesto.


   photo IMG_1310_zpsda11f04c.jpg 

Salmonetes ao sal e batatas pesto 

Sal grosso q.b. (aprox 1 kg), previamente humedecido 
2 salmonetes, amanhados, mas com escamas 
1 ramo de coentros 
1 limão 
1 cabeça de brócolos 
2 ovos 
Batatinhas c/casca 
Molho pesto q.b. (usei este, de couve) 
Azeite p/ temperar


// preparação tradicional 

Ligue o forno a 180ºC. 
Num tabuleiro de ir ao forno, faça uma camada de sal grosso e disponha os salmonetes com um ramo de coentros e rodelas de limão na barriga de cada um. Cubra-os com mais sal, calcando bem, e de forma a envolver o peixe completamente. 
Leve ao forno a 180ºC por aproximadamente 30 minutos. 

Enquanto isso, coza as batatas com pele, os ovos e os brócolos. 
Retire o tabuleiro do forno, parta a crosta de sal e retire a pele aos salmonetes. 
Envolva as batatas cozidas com umas colheradas de molho pesto e sirva-as com o peixe, os ovos em quartos e os brócolos com um fio de azeite. 


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix) 

Coloque 800 g de água no copo, insira o cesto com os brócolos em pequenos floretes e programe 10 min/Varoma/vel 1. 
Enquanto isso, cubra o fundo da varoma com sal e disponha os salmonetes com um ramo de coentros e rodelas de limão na barriga de cada um. Cubra-os com mais sal, calcando bem, e de forma a envolver o peixe completamente. 

Quando o tempo terminar, coloque os brócolos na prateleira da Varoma. 
Insira as batatas e os ovos no cesto, coloque a Varoma sobre o copo com o peixe e os brócolos e programe 35 min/Varoma/vel 1. 
Quanto o tempo terminar, parta a crosta de sal e retire a pele aos salmonetes. Envolva as batatas cozidas com o pesto e sirva-as com o peixe, os ovos em quartos e os brócolos com um fio de azeite. 



terça-feira, 15 de Abril de 2014

Um brunch com sabor a Páscoa

 photo 1_zpsfb434d72.jpg

Com a Páscoa a espreitar, é tempo de reunir a família, juntarmo-nos à mesa e aproveitar estes dias para saborear as coisas boas da vida. 
Nós cá em casa adoramos um bom brunch! É muitas vezes o nosso programa de início de fim de semana, porque sabe tão bem arrancar o dia assim sem pressa, num misto de pequeno almoço e almoço que nos traz vontade de saborear cada instante de dolce far niente.
   photo 2_zps4445b2f2.jpg

Em Lisboa tenho alguns favoritos. Choupana, Café na Fábrica, Chef Nino, U-Chiado, Tartine, Bica do Sapato, O Pão Nosso, Kaffeehaus, Orpheu Caffé... Quem me segue no Instagram, sabe que costumo andar sempre de poiso em poiso. 

Partilhem comigo os vossos favoritos, porque há sempre novos sítios para descobrir.
   photo 3_zpsea0827d1.jpg photo 4_zpsa725e62a.jpg

Muitas vezes fazemos a festa mesmo cá por casa. 
Daí a lembrança de partilhar com vocês esta versão de brunch caseiro em mood Páscoa. 
Ao cesto de pães junta-se um folar dos bons e temos o mote para chamar a família e os amigos. 

Muitos são os petiscos que se podiam acrescentar aqui... iogurte com granola, frutas, quiche, muffins, pães, uma saladinha, uma sopa, sumo de fruta, panquecas, croissants... A receita do bolo de limão das fotografias está aqui

E porque a Páscoa é tradição que sabe a chocolate, porque não acabar com um pedacinho dele?

   photo 5_zpscc9f7e45.jpg 


Folar de canela e gengibre 

Para a massa (rende 2 folares) 

250 ml de leite 
20 g de fermento de padeiro fresco 
80 g de manteiga à temp. ambiente 
3 ovos 
70 g de açúcar amarelo 
320 g de farinha de trigo T65 
200 g de farinha de trigo integral 
1 c. chá de sal 
1 c. sopa de canela em pó 
1 c. chá de gengibre em pó 

// preparação tradicional 

Aqueça ligeiramente o leite, apenas até ficar forno, e dissolva o fermento. 
Numa taça, faça um vulcão com a farinha, o açúcar e o sal. No meio coloque o leite, a manteiga derretida e os ovos. Amasse bem durante uns minutos até a massa formar uma bola. 
Deixe a repousar num alguidar tapada com um pano durante 40 minutos ou até dobrar de volume. 

// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix) 

Coloque no copo o leite e o fermento e aqueça 2 min/37º/vel 2. 
Junte a manteiga, açúcar e os ovos e programe 30 seg/vel 4. 
Adicione a farinhas, o sal, a canela e o gengibre e amasse 5 min/espiga. 
Deixe a massa repousar no copo ou num alguidar, tapada com um pano, cerca de 40 minutos ou até dobrar de volume. 

// finalização 

Divida a massa em duas partes e depois cada uma delas em dois rolos. Entrelace-os e junte as pontas. 
Coloque os dois folares sobre um tabuleiro forrado com papel vegetal e deixe levedar mais 30 minutos. 
Entretanto, pré-aqueça o forno a 190ºC. 
Pincele os folares com o ovo batido, coloque-os na parte mais baixa do forno e coza cerca de 30 minutos. 


Ovos mexidos com pesto e azeitonas 

Serve 4 

1 c. sopa de manteiga 
2 c. sopa de azeitonas, descaroçadas, às rodelas
6 ovos 
Sal e pimenta preta moída na hora 
2 c. sopa de pesto 


// preparação 

Parta os ovos para uma taça, sem bater.
Derreta a manteiga numa frigideira e deite os ovos, mexendo vigorosamente, em lume médio. 
Vá mexendo e de quando em quando levante a frigideira do lume.
Quando estiverem quase no ponto, tempere com sal e pimenta e junte as azeitonas. 
Finalize com o pesto e sirva. 


Smoothie de laranja e hortelã 

Serve 4 

500 ml de leite 
300 ml de sumo de laranja 
2 c. sopa de aveia 
1 c. sopa de açúcar amarelo 
8 cubos de gelo 
10 folhas de hortelã, mais q.b. p/ servir 


// preparação 

Coloque todos os ingredientes num liquidificador ou robot de cozinha e bata cerca de 1 a 2 minutos. 
Sirva fresco, com folhas de hortelã. 


* Há muitas outras receitas cá no blogue para esta época festiva, caso procurem outras coisas, passem pelos separadores de folares e Páscoa.


   photo 7_zpsde4810d2.jpg

terça-feira, 8 de Abril de 2014

Salada de cevada com legumes

E finalmente uma semana de sol e calor!
Frutas e legumes a postos, vamos lá aproveitar enquanto dura e trazer esta alegria também para a cozinha.
   photo 1_zpsed56894d.jpg

E não há nada como cereais e legumes salteados para uma refeição mais leve e cheia de sabor.
Gosto tanto de cevada, se nunca experimentaram, façam por provar. Tento sempre ir rodando os cereais que comemos cá em casa, de preferência, sempre integrais: espelta, arroz, bulgur, trigo, cevada... há por aí tanta coisa boa.
    photo 2_zps3beb3723.jpg

Vamos lá aproveitar estes dias bem dispostos de S. Pedro e encher também o prato de cor!

   photo 3_zps76d1da58.jpg 

Salada de cevada com legumes

1 chávena de grãos de cevada
Água
 1 beringela às fatias
1 curgete às fatias
Azeite
2 dentes de alho
200 g de cogumelos frescos, cortados em fatias
1/2 pimento encarnado, cortado em tiras
1 cenoura em rodelas finas
6 metades de tomate seco, cortados em pedaços
2 ovos cozidos, cortados em pedaços
1 c. chá de mostarda inglesa
Vinagre
Sal e pimenta preta moída na hora


// preparação

Coza a cevada em água, seguindo as instruções da embalagem (são cerca de 40 minutos, em lume brando). Reserve.
Unte a chapa de grelhar com azeite e grelhe as fatias de beringela e de curgete, sem sobrepor. Vire para grelhar dos dois lados e repita até terminar.
Numa frigideira, aqueça o azeite com o alho e salteie os cogumelos. Retire e reserve.
Salteie de seguida a cenoura e, quase no fim, junte o pimento, só para quebrar um pouco.
Envolva tudo com a cevada, juntes os ovos cozidos e a mostarda, tempere com sal, pimenta e vinagre e sirva morno ou frio.
Aqui a entrada foi uma sopa fria de cenoura que já sabe mesmo bem.
   photo 4_zpsc6dcb7d5.jpg

* Neste post foi utilizada louça portuguesa, cedida pela Cerâmicas na Linha



Siga também o Susana Gomes Photography

quinta-feira, 3 de Abril de 2014

Coelho com mostarda.

Vamos falar de comida para o fim de semana?
Sei que ainda é quinta feira, mas confesso que esta semana já cansa... por cá o pensamento já vai lá à frente... onde também parece que vai o sol!

O meu pai, além dos dotes que tem como agricultor de trazer por casa, ahahah, também é um pró no nas artes da grelha. Faz um coelho no churrasco que é qualquer coisa. Adoro. Sei que nem toda a gente gosta de coelho, mas eu sou fã.
   photo 1_zps06803177.jpg

Como num apartamento o churrasco não é tão prático (apesar do mini-grelhador com teias de aranha que temos no logradouro), o coelho quando não vai para o tacho – gosto tanto assim - vai para o forno. E é coisa que acontece mesmo muitas vezes, assim como vos mostro, com mostarda, batatinhas, ervas e limão. 

Mais descuido, menos descuido, sai do forno douradinho (ou pretinho, como foi o caso, porque o descuido foi grande, eheheh) e traz almoço para a mesa sem grandes trabalhos, nos fins de semana de preguiça.

   photo 002_zps9862d623.jpg 

Coelho com mostarda

3 pernas de coelho
1 c. sopa de mostarda
1 c. sopa de mel
1 c. sopa de sumo de limão
1 c. sopa de tomilho-limão
Sal e pimenta preta moída na hora

Batatas com casca, cortadas em gomos
1 c. sopa de azeite
1 c. chá de mostarda
1 c. chá de mel
1 c. sopa de sumo de limão
1 c. sopa de tomilho-limão
Sal e pimenta moída na hora


// preparação

Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Comece por preparar a carne, fazendo uma pasta com a mostarda, o mel, o sumo de limão e o tomilho-limão. Besunte as pernas de coelho, tempere com sal e pimenta e disponha num tabuleiro de ir ao forno.

Lave muito bem as batatas (eu uso uma pequena escova) e corte-as em gomos.
Numa taça, envolva bem com o azeite, a mostarda, o mel, o sumo de limão e o tomilho-limão e tempere com sal e pimenta.
Disponha no tabuleiro ao redor da carne e leve ao forno a 180ºC cerca de 40 minutos. Vá regando a carne com o molho de quando em quando até que fique cozinhada e dourada e as batatas macias.
   photo 003_zpsd85a01f7.jpg

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Hoje são 41 receitas e um bolo de chocolate!

 photo 2_zps45ce1ba2.jpg

O post de hoje não traz apenas uma receita. Traz 41!

Foi este o número de receitas que desenvolvi e fotografei para a Nestlé, num trabalho de grande fôlego que me levou muitas dias de dedicação e me trouxe de volta imensa satisfação ao fazer, durante o último trimestre do ano passado.
O desafio era criar receitas para o site da marca, a partir dos seus produtos, de forma a criar sugestões de utilização menos convencionais. E que desafio - foi uma experiência e tanto!

Além das receitas e das fotografias, acabei por colaborar também com a produtora de vídeo responsável pelos filmes que foram feitos para cada uma das receitas. É isso mesmo: cada uma destas receitas abaixo está apresentada no site da Nestlé com fotografias, e também com vídeos, que podem ver no canal do You Tube.

Não há desculpas para não experimentarem!
Podem explorar o site, onde encontram muitas outras ideias apetitosas - aquie também mantenham-se atentos à página do Facebook.

Caso no vosso browser o link do site não abra nas minhas receitas, usem este abaixo e na pesquisa escrevam "susana gomes":
https://saboreiaavida.nestle.pt/cozinhar/


Como hoje o dia está de chuva e esta semana promete trazer só mais do mesmo, acho que todos merecemos uma segunda feira com bolo de chocolate. Vamos a ele!
     photo 1-Bolo-de-chocolateIMG_9546_zpsb82c05b9.jpg

Bolo de Chocolate Nestlé

200 g chocolate para culinária NESTLÉ
110 g de manteiga à temperatura ambiente
180 g de açúcar amarelo
3 ovos
260 g de farinha p/ bolos
1 c. chá de fermento p/ bolos
1 c. chá de bicarbonato
1/2 c. chá de sal
300 ml de leite
1 lata de Leite Condensado Cozido NESTLÉ
Gelado de nata p/ acompanhar


 // preparação

 Ver aqui.


   photo 3_zps3ab6ecfe.jpg

 photo grid1_zpsb6519177.jpg  photo grid2_zps9407ce50.jpg  photo grid3_zpsacc6ede7.jpg  photo grid4_zps771a16e5.jpg  photo grid5_zpsd1885e64.jpg

* Esta produção foi realizada com o apoio da Cerâmicas na Linha



Siga também o Susana Gomes Photography

quinta-feira, 27 de Março de 2014

Sopa de mandioca e nozes

 photo 1_zps8ce87a9b.jpg

Umas horas depois do almoço, tudo se torna bom pretexto para uma pausa no trabalho. Fui à cozinha buscar umas nozes para ir picando. 
Não é habitual olhar para um balde cheio de nozes e pensar em sopa, mas nem tentei evitar. 
É verdade, as nozes da quinta chegam cá a casa em baldes, iuppi, iuppi, e é uma festa enquanto duram. 

Podia dizer-vos que é do tempo que ainda pede tanto sopa e que o meu cérebro fica sugestionado, mas não, isto são pensamentos para me dar em pleno Verão: eu e as sopas é amor que dura o ano todo. 

Ora uma das coisas boas de trabalhar em casa é poder seguir estes instintos no momento. Tratei pois da mandioca que cá tinha, juntei-lhe couve flor e ficou a sopa feita.
   photo 2_zpsc3cd5353.jpg

Se calhar agora vão achar isto estranho, mas adoro beber a meio da tarde uma caneca de sopa acabada de fazer!
É muitas vezes o meu lanche. a única condição está em que seja acabada de fazer, não é Joana Alvim? (a Joana é uma amiga minha que faz o mesmo, lol) 

Se nunca experimentaram, peguem numa caneca na próxima vez que fizerem sopa num horário improvável, porque sabe mesmo, mesmo bem!


   photo 3_zps7d453810.jpg 


Sopa de mandioca e nozes 

1 cebola 
1 dente de alho 
Azeite 
1 mandioca 
½ couve flor pequena, em pedaços 
Duas mãos cheias de miolo de noz, mais q.b para servir 
Sal e pimenta preta moída na hora 
Água 


// preparação tradicional 

Comece por preparar a mandioca. 
Corte-a ao meio, assente a superfície de corte sobre a bancada e retire a casca grossa com a faca, de cima para baixo (é muito mais fácil descascá-la assim do que pegando-a na mão). 
Depois corte cada um dos pedaços ao meio no sentido longitudinal e retire o veio central, cortando-a  então em pedaços pequenos. 

Refogue a cebola e o alho picados no azeite, até que a cebola amoleça. 
Adicione a mandioca e a couve flor em pedaços, o miolo de noz e cubra com água. Coza tapado em lume brando até que os legumes fiquem macios. 
Tempere com sal e pimenta e triture até obter um puré cremoso. 
Rectifique os temperos e a consistência e sirva com algumas nozes gresseiramente desfeitas. 


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix) 

Comece por preparar a mandioca. 
Corte-a ao meio, assente a superfície de corte sobre a bancada e retire a casca grossa com a faca, de cima para baixo (é muito mais fácil descascá-la assim do que pegando-a na mão). 
Depois corte cada um dos pedaços ao meio no sentido longitudinal e retire o veio central, cortando-a  então em pedaços pequenos. 

Coloque no copo a cebola o alho e o azeite, pique 5 seg/vel 5 e refogue 6 min/Varoma/vel 1. 
Adicione a mandioca, couve flor e as nozes, cubra com água (atenção para não ultrapassar a marca dos 2 L) e coza 40 min/100ºC/ vel 1. 
Tempere com sal e pimenta, programe 2 min e vá progressivamente até à vel 7. 
Rectifique os temperos e a consistência e sirva com algumas nozes gresseiramente desfeitas. 
   photo 4_zpsacd6b737.jpg



segunda-feira, 24 de Março de 2014

A lasanha de atum. Comida que me faz feliz.

A evidência é incontornável, a comunicação assenta cada vez mais na imagem, galvanizando modas que nascem, crescem e morrem a um ritmo imparável. Ora porque tem todas as vitaminas e nutrientes e mais alguns, ou porque é a comida da moda em todo o lado ou porque chega a temporada de um qualquer ingrediente e então é ver quem o usa da forma mais original (e estranha) possível.
lol Volta e meia também contribuo para este peditório, não há como escapar.

Depois há fenómeno da alimentação hiper-mega-saudável. Aqui nascem novos alimentos de mês para mês, mal se aprende a soletrá-lo, já foi; o superalimento da vez será muito provavelmente outra coisa de nome desconhecido, usado em receitas sem isto, aquilo e o outro.

Não quero com isto recusar as coisas boas e saudáveis que vamos descobrindo em novos alimentos (tantos deles também aqui no blogue), mas ainda acredito que alimentação e saúde não têm que ser sinónimo de lista de compras alienígena.
Custa a crer quando damos uma vista de olhos ao que se publica na blogosfera e instagrams em modo hype...

Pois um dos pratos que já esteve tanto na moda no circuito “comida-imagem-internet” é a sempre deliciosa lasanha.
Sempre, quando é preparada com ingredientes frescos e quando sugere um prato de comida caseira que conforta e traz alegria.

Acho que todas as pessoas que cozinham têm a sua versão, com aquilo que a torna ainda mais especial sempre que é partilhada com quem se gosta.
Há algumas receitas cá no blogue (esta e esta são feias e boas), mas hoje trago mais uma, em versão sem pressa, com atum fresco e molho de tomate dos bons - porque o tempo aqui faz mesmo toda a diferença.

Eu, confesso, sou sempre feliz quando tenho uma travessa de lasanha na mesa.
E vocês?


   photo IMG_0538_zps9dccf98a.jpg 


Lasanha de atum fresco

Serve 6

1 cebola grande
1 pimento encarnado, sem sementes
1 mão cheia de manjericão fresco
2 dentes de alho
Azeite
800 g tomate maduro (fresco ou de conserva)
80 g vinho branco
400 g atum fresco à posta, cortado em pedaços
1 c. chá de oregãos
Sal e pimenta preta moída na hora
Massa fresca p/ lasanha
1 bolas de mozzarella fresca


// preparação tradicional

Pique a cebola e o alho e refogue em azeite até a cebola ficar translúcida.
Junte o pimento em pedaços e o vinho e, quando levantar fervura, adicione o tomate em pedaços e o manjericão. Cozinhe tapado, em lume brando, aproximadamente 40 a 50 minutos, até que o tomate se desfaça e o molho engrosse (fique atento, para que não fique demasiado espesso).

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Adicione ao molho de tomate o atum, os orégãos, sal e pimenta e cozinhe uns minutos, mexendo para que o atum se desmanche em lascas.
Num pyrex, alterne camadas de molho de atum e massa de lasanha, distribuindo rodelas de mozzarella sobre a última camada de massa.
Leve ao forno a 180ºC durante 30 minutos ou até que a massa coza e o queijo gratine.

Sirva com uma salada de folhas verdes.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Coloque no copo a cebola, o pimento, o manjericão, o alho e o azeite, pique 5 seg/vel 5 e refogue 5 min/Varoma/vel 1.
Junte o tomate e o vinho, triture 15 seg/vel 7 e depois programe 30 min/Varoma/vel 1.

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Adicione o atum, os orégãos, sal e pimenta e cozinhe durante 5 min/Varoma/vel colher inversa.
Num pyrex, alterne camadas de molho de atum e massa de lasanha, distribuindo rodelas de mozzarella sobre a última camada de massa.
Leve ao forno a 180ºC durante 30 minutos ou até que a massa coza e o queijo gratine.

Sirva com uma salada de folhas verdes.



quarta-feira, 19 de Março de 2014

Desse amor onde cabe tudo. E um estufadinho de ervilhas.

Um dos meus posts favoritos de sempre do No Soup é O Guardião - a jardineira para o meu pai.
Ficou escrito. Gravado, já não só no meu mundo de afectos, mas em caracteres físicos que parecem tornar mais real o que se sente.

Comida de pai, na minha vida, é comida com molhinho bom, refogado apurado, tempero puxado e pouca esquisitice à mistura. Um estufado simples como este de hoje é sempre tiro ao alvo.

Na verdade, acho que não há nada de que o meu pai não goste à mesa. Se for preparado pela minha mãe, só se pode mesmo gostar muito, porque tudo lhe sai maravilhosamente “au point”. Essa arte da simplicidade. Lol
Quando é cozinhado por mim, qualquer coisa há (chamada amor) que lhe regala o paladar, seja o que for que lhe sirva.

Nesse amor sem fim cabe tudo. Do lado de cá, dos filhos, será um amor mais egoísta, onde cabem  dias cantarolados com mimos e entusiasmo, mas também algumas descargas do mau feitio que poucas vezes salta com tanto despudor... É a quem mais amamos que mostramos as cores todas da nossa pintura, sussurro-me desculpas... e há sempre depois o abraço certo, é certo que nunca falha esse abraço.

Eu sou a força desse abraço, pai.


   photo IMG_1120_zps6e2bdc38.jpg 

Estufadinho de ervilhas e pescada

Serve 4

4 postas altas de pescada
Sal e pimenta preta moída na hora
Azeite

1 cebola

1 dente alho

1 ramo de coentros
1 folha de louro
400 g tomate pelado

150 g vinho branco

1 kg de ervilhas 

100 g água



// preparação tradicional

Tempere a pescada com sal e pimenta e reserve.
Refogue em azeite a cebola e o alho picados.
Quando a cebola ficar translúcida, junte os coentros picados, o louro, o tomate desfeito em pedaços e o vinho e deixe em lume brando até levantar fervura. Depois tape e deixe cozinhar lentamente durante 15 minutos.
Adicione então as ervilhas e a água e cozinhe tapado cerca de 5 minutos.
Tempere com sal e pimenta, junte a pescada e deixe em lume brando cerca de 10 minutos ou até que as ervilhas e o peixe fiquem cozinhados.
Rectifique os temperos e sirva polvilhado com coentros.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix) 

Tempere a pescada com sal e pimenta e disponha-a na Varoma. Reserve.
Coloque no copo a cebola, o alho, o tomate, os coentros e o azeite e pique 5 seg/vel 5. Cozinhe 5 min/Varoma/vel 1 e depois triture 15 seg/ vel 7, para que o molho fique homogéneo.

Adicione a folha de louro, as ervilhas, o vinho, a água, o sal e a pimenta, coloque a Varoma com a pescada e programe 20 min/Varoma/vel colher inversa.
Rectifique os temperos e sirva polvilhado com coentros.


**

O meu pai ficaria feliz, feliz, se fechasse a refeição com a sua sobremesa de eleição, arroz doce.
Caso procurem outras sugestões, basta darem uma espreitadela aos separadores dos bolos, tartes e doces.



quinta-feira, 13 de Março de 2014

De volta a casa e ao arroz. O contentamento das coisas simples.

Estou de volta. Esta temporada em Londres foi verdadeiramente refrescante.
Viajar é sempre uma lufada de inspiração, mas esta viagem foi especial. Ainda estou em processo de assimilação de tudo o que aprendi e vivi, expectante em relação ao que vou guardar.

Foi muito bom ficar com os meus amigos, poder passear sem pressa, rever os sítios que mais gosto, descobrir coisas novas, reencontrar e conhecer pessoas inspiradoras, ver exposições, encher o peito de ar e lançar os olhos às surpresas de uma cidade tão cheia de tudo como é Londres.
   photo 1_zps897b1df9.jpg photo 002_zpsfc1a6b41.jpg  photo 003_zpsf77e2c09.jpg  photo 004_zps174e3ea1.jpg  photo 005_zps54245bc9.jpg  photo 006_zpsbbe481d5.jpg  photo 7__zps14f4493e.jpg  photo 007_zps90e5f5bd.jpg  photo 8__zpscf698c92.jpg

Sempre que viajo regresso cheia de boas intenções para falar das muitas coisas que vi e vivi, prometo que desta vez não vou deixar de o fazer e de partilhar aqui no blogue os sítios por onde andei.

Quem me foi acompanhando pelo Instagram acabou por ir partilhando muitas dessas caminhadas comigo, mas hei-de fazer alguns posts com mais detalhes e sabores.

Ontem já fiz um apanhado aqui sobre a aventura que foram os primeiros dois dias no workshop de fotografia de casamento que fui fazer. DARE! Poderia haver melhor mote para nos aventurarmos a ir mais além? A acreditarmos que para sermos o que queremos, temos que ser primeiro nós a acreditar, a ir atrás, a fazer por ser. Voltei de cabeça aberta para me aventurar ainda mais nisso!

E voltei também com a barriga cheia de muitas coisas boas que comi por lá, mas com saudades dos sabores de casa.
De um daqueles arrozinhos frugais, que acompanha qualquer coisa que sai do fogão sem pedir licença para ser simplesmente bom.

Vamos a ele!

   photo 8_zps4178a0e2.jpg 

Arroz de cenoura, coentros e limão

Azeite
1 cenoura
200 g de arroz agulha
1 limão
1 punhado de coentros
Água
Sal q.b.


// preparação tradicional

Pique a cenoura finamente e refogue no azeite durante alguns minutos.
Junte o arroz e deixe em lume médio até que o bago mude de cor. Adicione o sumo de limão, os coentros picados, a água (o dobro do volume do arroz) e o sal e cozinhe em lume brando até que a água evapore e o arroz fique cozido, aproximadamente 10 minutos.
Sirva de seguida, aqui foi acompanhamento para umas lentilhas estufadas.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Coloque no copo a cenoura cortada em pedaços e os coentros e pique 5 seg/ vel 5.
Retire para o cesto e misture com o arroz cru. Coloque no copo o limão descascado, 800 g de água, o sal e um fio de azeite, insira o cesto e programe 20 min/100ºC/vel 4.
Sirva de seguida, aqui foi acompanhamento para umas lentilhas estufadas.


quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

Aveia + maçã. E um passeio que cheira a flores

Com o trabalho de fotografia sempre muito intenso entre a Primavera e o Natal, é agora, na “época baixa”, que tento aproveitar para desacelerar um pouco e procurar inspiração noutras paragens.

Seja cá dentro ou lá fora, tento sempre registar aquilo que encontro de mais interessante para depois partilhar no blogue. A verdade é que depois quando volto a casa, muitas dessas imagens e dessas histórias ficam infinitamente à espera de tempo para chegarem a dar corpo a um post.
Este é um dos meus objectivos para 2014 (partilhar mais dos meus passeios e viagens), e com Fevereiro já a queimar os últimos cartuchos, é bom que arregace as mangas para não deixar o item esquecido na lista.

Volto assim a estas fotografias de 2012, quando regressei de Londres com a máquina carregadinha de coisas bonitas. Já mostrei algumas dessas imagens aqui, mas há por cá material para muitos e muitos relatos. Oh, cidade mais cheia de coisas que apetece!

E apetece sempre. É por isso cheia de entusiasmo que vou voltar, já estou a contar os dias!

Será uma viagem para estudar, passear, arejar a cabeça, aproveitar a companhia dos amigos e, claro, fotografar:

Se estiverem por lá ou quiserem passar a palavra a amigos, também estou a aceitar sessões entre 5 e 9 de Março. 
Com famílias, namorados, crianças e todos os que quiserem guardar alguns momentos únicos das suas vidas. Podem ver mais detalhes aqui.
   photo london-calling_zpsb1e85eb9.jpg

Um dos sítios onde vou querer certamente voltar é a este passeio, provavelmente o que mais me surpreendeu nessa viagem. Pela mão dos meus anfitriões, a Inês e o Bruno, foi uma manhã de domingo boa, tão boa!
Se tiverem oportunidade, numa próxima passagem por Londres, não deixem de ir conhecer o Columbia Flower Market e a bakery Lily Vanilli. O mercado de flores tem dos vendedores mais animados da cidade e atrás das bancas perfumadas, encontram pequenas lojinhas cheias de coisas diferentes, irresistíveis e handmade.

É mesmo bom começar o dia nesta animação e ficar à conversa num pequeno-almoço reforçado com as iguarias da Lily Vanilli.  Venham dai.
   photo 001_zpsa0bedf19.jpg photo 002_zpsae9bbe02.jpg  photo IMG_2961_zps889323fe.jpg  photo 004_zps2b9b527c.jpg  photo IMG_2984_zps309034e8.jpg  photo 006_zps1c83711c.jpg  photo 007_zps42ae151c.jpg  photo 008_zpsba9b5459.jpg  photo 009_zpsb5c28960.jpg  photo 010_zpsa0dd9a66.jpg  photo 011_zps4b425e77.jpg  photo 012_zpsb4ea363c.jpg  photo 013_zpsb5050cd1.jpg  photo 014_zps27ff3fdf.jpg  photo 015_zps14092022.jpg  photo 016_zpsd0430dd7.jpg  photo 017_zpsbc687b08.jpg  photo 018_zps80551d42.jpg  photo IMG_3085_zps8557e51b.jpg  photo 019_zps25cbfd97.jpg  photo 020_zps1efc7627.jpg  photo 021_zps063d1112.jpg


Já em estágio e a preparar os planos para a viagem, os dias têm começado com uma receita emblemática por aquelas bandas. Quem me segue há mais tempo sabe o quanto gosto de papas de aveia (há por cá outras receitas no baú) e é isso mesmo que vos trago hoje. 

Bom dia de sol!


   photo papas-de-aveiaemaccedilatilde_zpsf25543b6.jpg 

Papas de aveia com maçã 

1 maçã reineta 
40 g de flocos de aveia 
1 c. chá de mel 
½ colher chá de canela + q.b para polvilhar 
1 pitada de gengibre em pó 
120 ml de leite 
120 ml de água 


// preparação tradicional 

Rale a maçã finamente, coloque-a num tachinho com os restantes ingredientes e vá cozinhando em lume brando, mexendo sempre até que engrosse, cerca de 6 a 8 minutos. 
Sirva de imediato, polvilhado com canela. 


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix) 

Coloque a maçã no copo e pique 5 seg/vel 5. 
Junte os restantes ingredientes e programe 8 min/90ºC/vel 2 ½ inversa, sem o copinho da tampa. Sirva de imediato, polvilhado com canela. 


// Nota: As quantidades de leite e água e a proporção entre elas podem ser acertadas ao gosto de cada um, caso gostem mais ou menos consistentes e densas.